Bem-aventurados os humildes de espírito
janeiro 3, 2017

Bem-aventurados os que choram

Vivemos em um mundo que promove o entretenimento com o único objetivo de estimular sorrisos e gargalhadas. Os filmes mais procurados são os de comédia, os canais do youtube mais acessados são os de zueiras, os auditórios mais lotados atualmente são os que trazem os famosos stand up. Esta, sem dúvida nenhuma, é a geração da gargalhada! No entanto, a segunda bem-aventurança, nas palavras de Lucas nos alerta: “Ai de vós, os que agora rides! Porque haveis de lamentar e chorar” (Lc 6:25). Nas palavras de Mateus, “bem-aventurados são os que choram”. Que paradoxo!

A palavra “chorar” usada nesta passagem é pentheo[1], que indica intenso pesar. É a palavra mais forte para pranto na língua grega. Na LXX é a palavra usada para descrever a dor de Jacó quando acreditou que seu filho José estava morto (Gn 37:34)[2]. Por isto, William Barclay descreve esta bem-venturança assim: “Bem-aventurado é o homem que chora como alguém que chora pelos mortos”[3]. O “pobre de espírito” citado na primeira bem aventurança se humilha diante de Deus suplicando graça e chora diante dEle. Mas que choro é este?

George Knight lembra[4] da importância de rever algumas passagens proféticas do AT para melhor entender a natureza deste choro falado por Jesus. Isaías previu que o Ungido do Senhor viria para “curar os quebrantados de coração” e para “consolar todos os que choram” (61:1-2). A visão de Ezequiel da ira de Deus por uma Jerusalém corrupta revelou que somente aqueles que “suspiram e gemem por causa de todas as abominações que se cometem no meio dela” deverão ser poupados (9:4-6). Sofonias fez uma advertência semelhante (3:11,13 e18). Assim, os profetas queriam que entendêssemos este choro como a aflição experimentada por aqueles que em sua reverência por Deus estão horrorizados por seus próprios pecados e de seus companheiros, e são comovidos às lágrimas de amarga vergonha e aflição.

Desta forma, “o pranto aqui apresentado é a sincera tristeza de coração pelo pecado”[5]. Isto foi expressado na vida do missionário cristão David Brainerd, que trabalhou junto aos índios americanos no século dezoito. Ele escreveu em seu diário no dia 18 de outubro de 1740: “Em minhas devoções matinais minha alma desfez-se em lágrimas, e chorou amargamente por causa da minha extrema maldade e vileza.” Esta também foi a experiência de Paulo que ao olhar para seu íntimo só pôde dizer: “Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?” (Rm 7:24). Sim, devemos lamentar e chorar por nossa terrível condição de pecadores!

A resposta ao choro humano é o consolo divino (Mt 5:4). É interessante notar que a promessa da primeira bem-aventurança está no presente, enquanto esta outra está no futuro. Assim, “os crenes já têm o reino dos Céus, mas eles serão consolados”[6]. Neste sentido o consolo providenciado por Deus tem uma dimensão dupla, no presente e no futuro. No presente há uma certeza de que as “pessoas que choram, que lamentam a sua própria maldade, serão consoladas pelo único consolo que pode aliviar o seu desespero, isto é, o perdão da graça de Deus”[7]. No futuro há uma esperança de que o Senhor retornará em glória (Jo 14:3), erradicará definitivamente e completamente todo o mal (1Co 15:51-53) e enxugará de nossos olhos toda lágrima (Ap 21:4). Por isto, bem-aventurado os que choram!

 


[1] Comentário Bíblico Adventista, vl.5, p. 336.
[2] Night, G. No monte das bem-aventuranças, p. 15.
[3] Barclay, W. Comentáro de Mateus, p.
[4] Night, Livro digital- ver página.
[5] White. E. O maior discurso de Cristo, p. 9.
[6] Night, No monte das bem-aventuranças, p. 19.
[7] Stott. A contracultura cristã, p.
Everton Almeida
Everton Almeida
Everton Almeida é o pastor criador do projeto "Compreendendo as Escrituras". Para conhecê-lo melhor veja sua biografia. Encontre-o também nas redes sociais: Facebook | YouTube
  • Tamiris Vieira Rasquini

    Pastor, esse site é uma benção, não desanime e que Deus esteja com vc e sua família!