Como interpretar as trombetas do Apocalipse?
janeiro 3, 2017
A manifestação da graça
janeiro 3, 2017

As 7 trombetas e as 7 pragas: semelhanças e diferenças

Todo estudante cuidadoso da Bíblia logo perceberá que há muitas semelhanças entre as 7 trombetas e as 7 pragas. Abaixo segue um quadro apontando tais semelhanças :

AS SETE TROMBETAS
Apocalipse 8,9 e 11
AS SETE PRAGAS
Apocalipse 16
Saraiva e fogo de mistura com sangue caem sobre a terra; é destruída a terça parte da terra, das arvores e da erva. Praga sobre a terra; sobrevêm aos homens ulceras malignas e perniciosas.
Grande montanha ardendo em chamas é atirada ao mar, cuja terça parte se tornou em sangue; morre a terça parte das criaturas do mar; é destruída a terça parte das embarcações. Praga derramada no mar, que se torna em sangue; morre todo ser vivente que há no mar.
Estrela ardendo como tocha cai sobre a terra parte dos rios e sobre as fontes das aguas, tornando-as amargosas. A praga cai sobre os rios e as fontes das águas, que se tornam em sangue.
É ferida a terça parte do sol, da lua e das estrelas, escurecendo a terça parte do dia e a terça parte da noite. Praga sobre o sol. Seu intenso calor queima os homens com fogo.
É aberto o poço do abismo; a fumaça escurece o sol e o ar; aparecem gafanhotos que atormentam a humanidade. Praga sobre o trono da besta, cujo reino se torna em trevas; os homens mordem a língua de dor.
São soltos quatro anjos que estavam atados junto ao rio Eufrates; tropas saem marchando, matando seres humanos. Praga sobre o rio Eufrates, cujas águas se secam; três espíritos imundos ajuntam os exércitos do Armagedom.
É aberto o templo celestial e revelada a arca do concerto; sobrevêm relâmpagos, vozes, trovões, terremotos e grande saraivada. Grande voz procede do templo celestial declara: ”Feito está”. Sobrevêm relâmpagos, vozes, trovoes, terremotos e grande saraivada.

Percebendo estas similaridades muitos tem afirmado que as sete trombetas e as sete pragas são a mesma coisa. O teólogo Mervyn Maxwell em sua clássica obra “Uma nova era segundo as profecias do Apocalipse” na página 268 aponta pelo menos quatro diferenças inequívocas que distinguem as 7 trombetas das 7 pragas. São elas:

1. A extensão das áreas afetadas: A maioria das trombetas afetam uma simbólica “terça parte” das áreas sobre as quais ocorrem (Ap 8:7 a 12). Já em relação as pragas não existe restrição quanto a sua abrangência, se bem que elas são entendidas por muito como não universais.

2. O tempo envolvido: Nos capítulos que tratam das trombetas, encontramos período de tempo relativamente longos, tais como “cinco meses” (Ap 9:5), equivalente em profecia a 150 anos literais e “uma hora, um dia, um mês e um ano” (Ap 9:15), equivalente a 391 anos e 15 dias literais. Em contraste, as 7 pragas caem “em um só dia” ou mesmo em “uma só hora” (Ap 18:8 e 10), sendo um juízo rápido e pontual.

3. O relacionamento com o santuário: As cenas do santuário que introduzem as trombetas retratam o ministério intercessório de Cristo como estando em andamento (Ap 8:2 a 5). Por outro lado, na cena que introduz as sete pragas, o santuário é fechado, de tal forma que “ninguém pode entrar” nele (Ap 15:5 a 8).

4. A localização na estrutura do livro: A despeito de muitos teólogos sugerirem uma estrutura diferente para o livro, é praticamente unânime que o Apocalipse está dividido em duas grandes porções: A parte histórica (Ap 1-14) e escatológica (Ap 15-22). As trombetas aparecem na primeira parte, enquanto as pragas aparecem na porção escatológica, que corresponde ao tempo do fim.

Mediante as evidências levantadas é possível concluir com segurança que as sete trombetas são tocadas ao longo da história antes do fechamento da porta da graça (o período em que há oportunidade de arrependimento e conversão) como juízo prévio de admoestação e aviso de Deus à humanidade. Já as sete últimas pragas são juízos finais de Deus sobre pecadores impenitentes que caem após o fechamento da porta da graça, o qual levará rapidamente à vinda de Cristo. Em outras palavras, as trombetas são anúncios de Deus a todos as pessoas ao longo da história, são “juízos de advertência” para que haja arrependimento e conversão. Aqueles que não derem ouvidos aos anúncios de Deus sofrerão horrenda punição representada pelas sete últimas pragas.

 

 

Everton Almeida
Everton Almeida
Everton Almeida é o pastor criador do projeto "Compreendendo as Escrituras". Para conhecê-lo melhor veja sua biografia. Encontre-o também nas redes sociais: Facebook | YouTube